Sexta-feira, 25 de Abril de 2014

Última actualização07:27:56 PM GMT

O filme INVICTUS e as lições de liderança de Mandela

  • PDF

invictus_moviepeq

Roteiro de interpretação do filme Invictus, utilizado na Academia Ubuntu no Seminário Invictus.

 

Bloco I  (00:00:53 –  00:04:01) – O Contexto

A África do Sul dividida entre desportos. 
A festa de uns e o ódio de outros. 
A libertação de Mandela.  As notícias. A violência nas ruas. “À beira de uma guerra civil”.
Eleições. Voto pela 1º vez. 
Tomada de posse.
“Nunca, nunca, nunca mais voltará a acontecer que este belo pais permita que se sofra a opressão de um pelo outro…”

Pistas para reflexão: 
- Que destino estava garantido à África do Sul depois da queda do apartheid?
- Como se posicionavam os dois grupos étnicos face um ao outro? O que diz o treinador de rubgy aos seus jogadores? 
- Qual a mensagem essencial de Mandela por esses dias?

 

Bloco II (00:04:09 a 00:08:00) – Características de liderança


(Acordar de Mandela no 1º dia em funções)
“Preciso como um relógio” – a importância da pontualidade e do rigor. Sentido de serviço. 
“Como vai a tua mãe?” – o cuidado com os que estão à sua volta. 
“ler o jornal em africânder” Perceber o adversário
“Ganhou a eleição…mas ganhará o país?”  - as vitórias não são completas só no formal. Conquistar também os derrotados é a vitória maior. “É uma pergunta legítima”.
Os desafios de chegar ao poder com imensas dificuldades pela frente. Desemprego, criminalidade,…


Pistas para reflexão: 
- A missão de Mandela era fácil? Que tinha ele pela frente? 
- Que traços evidencia Mandela neste excerto ? que importância um líder ser pontual? E ser atencioso com os que o rodeiam? 
- Perceber a língua dos adversários: que importância ?

 

Bloco III – (00:08:02 – 00:16:32) – Coragem. Liderar a partir da frente.

(cena da chegada ao gabinete presidencial e reunião)
“Bom dia!” – A saudação e a atenção às pessoas. 
Reunião de todo o pessoal.  Um gesto de confiança que deixa muitos perplexos. Pede aos guarda-costas que fiquem fora da sala. Agradecimento no inicio da reunião. Mensagem : - “precisamos de vós, não tenham medo. “. - “Agora olhamos para o futuro”. - “Se conseguirmos agir assim o nosso país será uma luz no mundo”
(cena dos guarda-costas)
A apresentação ao serviço dos guarda-costas do presidente anterior. A tensão e as dificuldades resultantes das diferenças e dos preconceitos. 
“Não me interessa quem assinou…”. A perplexidade com a decisão de Mandela. A justificação do Presidente: “A nação arco-íris começa aqui. A reconciliação começa aqui”.
“Há algum tempo estes tipos tentavam matar-nos” (Jason)
“O perdão liberta a alma. Remove o medo. Por isso é uma arma tão poderosa” (Mandela) 
Saída do gabinete presidencial. Planeamento conjunto. Reacções dos outros guarda-costas.  
Recomendação do sorriso. A tensão entre os guarda-costas. Madiba vs. senhor presidente. 
“Como é que ele vai fazer isto tudo? Quando descansa?” resposta: “Ele diz que já descansou na prisão”
A preocupação sobre o jogo de rubgy. A primeira evidência da fractura em relação a este desporto e o significado político.

Pistas para reflexão: 
1. Como avaliar o gesto “insensato” de Mandela em querer recuperar alguns colaboradores do anterior presidente? 2. Pode combater-se o medo desta forma?3. Um líder pode ambicionar ir além dos seus apoiantes?4. Como lidar com os nossos adversários quando temos de trabalhar com eles?

Bloco IV – (00:16:36 – 00:35:08) - Inspiração
(Multidão no jogo de rubgy)
1º jogo África do Sul /Inglaterra
Atitude de Mandela a enfrentar a adversidade. Cumprimenta a plateia hostil. Coragem em ir junto da multidão.” Parabéns por estar a honrar a nova bandeira”
Público sul-africano que aplaude os pontos dos adversários.
Atitudes de Pieenar a tentar mobilizar a equipa na derrota. Um líder tem que se aguentar nos momentos difíceis e mobilizar a equipa para vencer os obstáculos. 
A atitude do presidente da federação “Se não fizerem melhor rolarão cabeças” / “Senhor presidente não tenha muita esperança, somos uma lástima”. Contraste com Mandela. Qual resultará melhor?
“Velhas bandeiras do apartheid são um direito constitucional”, diz Mandela. Não dramatização dos sinais de contradição. Mandela explica a fractura brancos/negros no rubgy sul-africano.
Pressão para acabar com os Springbocks . O que faz Mandela ?
Conversa com a empregada. A noticia do telefonema da filha que já não vem o fim-de-semana. O sofrimento do líder/pai.
Reacção  do miúdo negro perante uma oferta de uma camisola da selecção. Como os símbolos pode ser diferentes. “Para eles os Springbocks representam o apartheid”.
(Discussão da extinção do Springbocks. Manipulação do ódio numa assembleia de voto de braço no ar. )Como Mandela enfrenta uma plateia hostil dos seus camaradas? Vai contra o aconselhamento dos seus assessores. Coloca em risco a sua autoridade e prestigio para lutar por uma coisa que acredita. A firmeza de um líder quando tal é necessário.  “No dia em que tiver medo é o dia em que deixarei de prestar para líder”
A tensão a enfrentar a assembleia dos seus correlegionários: o que diz e como diz ? Como desmonta a votação anterior? O apelo à experiência passada. A redefinição de quem é o inimigo: Africânderes, de inimigos a parceiros. 
“Temos de ser melhores do que isso. Temos de os surpreender com a compaixão e a generosidade”
“Não estamos no tempo de celebrar vinganças mesquinhas. Este é o tempo de construir a nossa nação. De usar todos os tijolos que podemos dispor”. 
“Vocês elegeram-me como vosso líder. Deixem-me liderar-vos.” Liderança  a partir da frente.
Bloco V (00:35:09 – 00:50:49) - Inspiração
Dificuldade em conseguir o apoio. Só 12 votos. Mandela sublinha que bastava um voto. 
Argumentação da assessora de Mandela para que ele se concentre nos grandes problemas. Mandela explica porque é tão importante obter o apoio da minoria branca. “Evitar reforçar o ciclo do medo entre nós”Mais uma derrota. Discurso de Pienaar: o brinde ao sabor da derrota.
Mandela nas Nações Unidas. Captação de investimentos nos EUA, no Japão,..Onde houver disponibilidade.
Seguranças – da separação à equipa mista
Reacção melindrada de Mandela à pergunta inocente do segurança sobre a família. Um ponto fraco para o líder. Todos têm zonas de fragilidade. 
Notícias dos jornais sobre as dificuldades na África do Sul.  Subida do crime. 
(No gabinete, entrada de Brenda). Um líder charmoso e sedutor. 
Reacção de Mandela face aos salários. “isto é terrível” . Anuncia que o seu salário é alto de mais mas a reacção em casa de Pienaar é negativa. Para o pai de Pienaar nenhuma acção de Mandela é boa. O preconceito não nos deixa ver. 
O telefonema de convite para um chá na presidência. Os recados da empregada da família Pienaar. 
(Chá Mandela /Pieenar)Conversa  de Pieenar  com o segurança: “Como é ele?”, resposta  “Para ele ninguém é invisível”.  A recepção de Mandela : (1) “François, que honra! Estou mt contente” (2) “Diga-me como vai o seu tornezelo?”. O líder cuidador. 
Serve o chá a Piennar. O líder servidor.
“Qual é a filosofia de liderança? Como inspira a sua equipa a dar o melhor?” – “Liderar pelo exemplo” responde Pienaar.
“Mas como se consegue que eles sejam melhores do que o que são?”. “Inspiração” Mandela diz “como nos inspiramos a nós mesmos para ser grandes qd menos que isso não serve? Como inspiramos os outros à nossa volta?”. Ver a resposta de Mandela da sua experiência pessoal.
O Poema de inspiração. “Ajudava-me a ficar de pé quando eu só queria deitar-me”
Conversa sobre o que os inspira. “Todos precisamos de inspiração. Porque para reconstruir a nossa nação todos temos de exceder as nossas expectativas”
“Nunca conheci alguém como ele”. O impacto da conversa com Mandela.

Bloco VI (00:50:50 – 01:00:41) – Símbolos e imagens.
(Empregada de Pienar recorta jornal (Pieenar+Mandela).)
Briefing sobre rubgy. Perceber a realidade. Estudar os dossiers. Mas relativizar também os “peritos”…
“Segundo os peritos tu e eu ainda devíamos estar na prisão”
“Mil milhões de pessoas a ver-nos? É uma grande oportunidade”
Treino da equipa  Springboks. “Podemos não ser a melhor equipa do mundo mas seremos a melhor preparada”. O valor do trabalho duro. 
O anuncio que irão fazer “clínicas de rubgy” nos bairros de barracas. A cara enfadada dos jogadores. “Somos algum circo?”
“Nós tornamo-nos mais do que uma equipa de rubgy e o melhor é habituarmo-nos a isso”. “Os tempos mudaram e nós temos que mudar também”
Ida para os bairros. Qual é o ambiente no autocarro? “Ainda bem que não moro aqui”. Pieenar avança. “Chester! Chester!” os miúdos gritam pelo único jogador negro da selecção , os outros não existem. A importância de uma ponte inicial para “quebrar o gelo”. Papel de Pieenar como líder, avança dá o sinal do que é importante ser feito.  
Os miúdos treinam. Gostamos do que conhecemos e do que não temos preconceito. Grito de guerra  juntos. A saída em ombros. “Uma equipa, um país”.
A consciência de Mandela da importância da televisão quando interrompe  o Conselho de ministros para ver as imagens da equipa de rubgy na township: “estas imagens valem mil discursos”. “Isto é parte da campanha Uma equipa, Uma Nação do presidente Mandela.”

Pistas de reflexão
- Que importância atribui Mandela ao estudo dos dossiers, como o caso do rubgy? - Porquê a decisão de levar o rubgy até aos bairros negros? Qual o seu valor estratégico?- Mandela atribui importância aos meiso de comunicação social? Porquê?

Bloco VII (1:00:47 – 01:13:21) – Líder cuidador e laços de afecto.
(Autocarro da selecção a chegar ao estádio.)
Briefing da segurança. Preocupações com a exposição do presidente.
Presidente no carro.  Exercício para decorar os nomes dos jogadores da selecção.
Equipa a treinar. Reunião da equipa depois de jantar. Francois distribui uma folha. “Precisamos de aprender esta música (hino). Não podemos mexer só os lábios”
“Esta canção não é a nossa.”; “Maldita canção de terroristas”; “Não consigo aprender estas palavras”
Piennar: “Muito bem é opcional. Aprendam-na se quiserem”…”Quer dizer: “Deus abençoe a  África.” O que admitamos nos dava jeito” 
Entrevista Mandela na televisão com De Villiers: “Diga-nos senhor presidente, sempre foi fã de rubgy?” (Mandela) “As pessoas não sabem mas eu também joguei rubgy…”(de villiers) “Como acha que os Springboks se vão comportar?”
(M) “Vão portar-se muito bem. O seu nível de empenhamento é tremendo” Essencial de um líder – mostrar confiança na sua equipa, pp em circunstâncias difíceis. 
(M) “Se não mudo quando é preciso como posso pedir que outros o façam?” Desafio do exemplo, liderar pelo exemplo. 
Visita ao treino dos Springboks. Helicóptero que aterra inesperadamente. Mandela sai e dirigir-se aos jogadores. “Perdoem-me que venha interromper o vosso trabalho na véspera de um jogo tão importante. Quis vir pessoalmente desejar-vos boa sorte. Poucas vezes como presidente as circunstâncias permitem que faça o que quero”. Líder cuidador. 
Piennar começa a apresentar a equipa. Mandela surpreende dizendo “eu sei quem é”.  A importância de conhecer os seus homens pelo nome. Transforma um pró-forma de “boa sorte” num momento único. 
“Onde está o Chester?” “Está lesionado”. A preocupação de Mandela “Todo o país sentirá a sua falta”
Um membro da equipa oferece a Mandela um chapéu. Gesto de afecto da equipa. A emoção de M. “Estou muito honrado meus senhores. Muito honrado. Têm de saber que o vosso país vos apoia completamente”. De novo o voto de confiança do líder e de toda a comunidade na equipa.
“François, acompanhe-me. Tenho uma coisa para si. Ajudou-me durante vários anos. Espero que o ajude a si”.. O que é? 
Mandela à noite. “Precisa de dormir. Foi o que médico lhe disse”. (M) “O médico não sabe a importância desta ocasião”
Piennar à noite vê o papel que Mandela lhe deu. Manuscrito. Escrito pelo próprio Mandela. Importância dos gestos dos líderes: simbolismo, afecto e exclusividade. 
Chega a namorada. “O que é isso? Um poema” “Como é que um poema te ajuda?” “Do mesmo modo que a tua visita: inspiração”
Jogo com a Austrália.  Mandela assim nas bancadas. Celebra um ensaio. 
Conversa entre os seguranças (equipa mista) “O que aconteceu? Marcámos”
Gelo no ensaio da Austrália. África do sul recupera. “ganhámos!!” Festa no estádio. Seguranças riem os dois. Mandela dança.

Temas para reflexão- Na dúvida sobre a capacidade da equipa o que faz Mandela? - Que valor atribui Mandela a dar o exemplo? - Qual a importância do gesto de Mandela em ter ido visitar a equipa? E em ter dado ao capitão de equipa uma prenda especial?


Bloco VIII (01:13:31 – 01:28:40) – Inspiração. Medo e coragem. Exemplo.

Imagens do treino. Correm até ao cais. Embarque para Robben Island com as namoradas. 
Visita guiada. “Podemos ver a cela do presidente? “ “o número da porta é 46664. Arranjámos a cela para ficar igual ao que era” 
Pieenar visita a cela. “Meu Deus, isto é minúsculo”. Pieenar fecha a cela e tenta sentir o que é estar dentro dela. Abre os braços para medir a dimensão da cela. Espreita o pátio. E ouve o poema, imaginando Mandela  na prisão.

Out of the night that covers me, ---------- Do meio da noite que me encobreBlack as the Pit from pole to pole, ------- Negra como o poço de ponta a ponta,I thank whatever gods may be -------------- Agradeço aos deuses que possam existirFor my unconquerable soul. ---------------- A natureza indomável da minha alma.
In the fell clutch of circumstance -------- Sob o domínio da circunstânciaI have not winced nor cried aloud. -------- Não me crispei, nem gritei alto.Under the bludgeonings of chance ---------- Sob os golpes duros da sorteMy head is bloody, but unbowed. ----------- Minha cabeça sangra, mas não se rebaixa.
Beyond this place of wrath and tears ------ Para além deste sítio de raiva e lágrimasLooms but the Horror of the shade, -------- vislumbra-se apenas terror das sombras. And yet the menace of the years ----------- E no entanto a ameaça dos anosFinds, and shall find, me unafraid. ------- Encontra-me, e achar-me-á, sem medo.
It matters not how strait the gate, ------- Interessa-me pouco que a passagem seja estreita How charged with punishments the scroll, -- Ou alta a carga punitiva

I am the master of my fate; --------------- Eu sou o senhor de meu destino;I am the captain of my soul. -------------- Eu sou o comandante de minha alma.


(Seguranças chegam a casa de M. e encontram-no caído.) “É simplesmente exaustão, mas levará a coisas piores se não for tratado”; “Ele precisa de descanso completo”
Treino Springboks. Chester tenta recuperar. Chester marca ensaio no jogo. Vitória da África do sul frente à Samoa. Desacatos entre jogadores. Mais uma vitória. 
Mandela acompanha atentamente no seu gabinete a evolução do campeonato. 
Meias-finais: África do sul/França. Chuva. 
Mandela impaciente na reunião com delegação de Taiwan por causa do jogo que está  a começar. Recebe informação da secretária sobre a vitória da selecção. “Quem é o nosso próximo adversário?” “certifica-te que tenho a agenda livre para o próximo jogo”.
Equipa e Mandela vêem na televisão a força dos All Blacks a jogarem, preocupação. “Vamos ter que placar melhor que os ingleses” Piennar responde: “Já o fazemos”.  Evidência de um espírito de liderança. Auto-confiança no momento em que a equipa treme.  
Impacto que tem Lomu (All Blacks) na equipa da África do Sul que vê o jogo. Medo. Piennar descodifica o comportamento de Lomu e faz declaração de compromisso como parará Lomu. Auto-convencimento. Transformar o medo em coragem.
Equipa de seguranças já completamente misturada a jogar…rubgy.  Mandela observa com a assessora principal: “Ainda acha que perco o meu tempo com o rubgy?”

Pistas de reflexão- Que impacto teve nos jogadores a visita à prisão de Mandela? - Porque terá escolhido Mandela aquele poema? Porque escolhia repetir “Eu sou o comandante da minha alma, o senhor do meu destino” nos momentos difíceis? - Como Pieenar enfrenta o medo que a selecção da Nova Zelândia lhes causa?-  Seguranças a jogar rubgy juntos: o que mudou para se chegar até aqui? Porquê? Bloco IX (01:28:41 – fim) – Glória.
(Equipa corre com o apoio dos populares. Os negros aplaudem como os brancos.)
Briefing da segurança. “Nas bancadas não vai estar exactamente uma “nação arco-iris”. Preocupações com  um atentado. (quantos líderes morreram assassinados por loucos ou por conspirações.. )
Entrada no estádio para o jogo da final. De Viliers faz o seu comentário para a televisão. A figura do céptico, “agora vão defrontar…..” 
Chegada de Mandela ao Estádio.Piennar vai ver a multidão e inspirar-se.
Avião que se dirige ao estádio. Pânico na segurança. “Boa sorte Bokke” na base do avião. Passa o susto.
A entrada das equipas para o jogo. Mandela surge….equipado com o equipamento da África do Sul, quebrando o protocolo mas dando um impulso fantástico  à equipa. Com o chapéu que a equipa lhe tinha dado. “François, o seu país tem muito orgulho em si”, “Chester, quero que saiba que todo o país o apoia”.  A multidão grita “Nelson, Nelson..”.
Imagens de todo o país a ver o jogo, mesmo as townships.
O novo hino cantado com alma. A progressiva adesão de todos à nova identidade nacional.
(Haka dos All Blacks em frente ao Springbocks.)
Jogo. Instruções de Pieenar. “Não nos deixemos separar por Lomu. Quem lá estiver que o agarre. Ajuda virá a seguir”
Todos vibram com os pontos conseguidos pela África do Sul. Não importa a cor. 
Prolongamento “Quem é a equipa mais preparada deste campo?” Quando estão a perder, Pieenar diz “Ouçam o vosso país. É agora. Este é o nosso destino. Vamos lá, Bokke”. A volta no resultado. A festa da vitória. As expressões de alegria do pais arco-iris.  Sendo que é mais fácil festejar na vitória que na derrota. 
A oração conduzida por Chester. O aperto de mão entre os dois chefes da segurança. 
Cena da entrevista final do De Villiers. Até ao fim como o cínico, o pessimista, o derrotista.
Palavras de Mandela para Piennar: “Quero agradecer-lhe pelo que fez pelo nosso país”, “Não senhor presidente, obrigado pelo que o senhor fez pelo nosso país”   Dois líderes que se admiram.
Festa nas ruas. 
Serenidade de Mandela no carro. Missão cumprida. “Não há pressa.” De novo o poema…..

 

Frase do dia

Se ajudar uma só pessoa a ter esperança, já não terei vivido em vão.

Martin Luther King


Projectos da Incubadora Social Ubuntu

mente m2 decide embarca entrebuxinta mesa musqueba
oh plataforma ubuntu posso promedes sawubona semente3 tchintchor

Contactos

  • Morada: Trav. Pedras Negras, n.1, 4º  
    1100-404 Lisboa
  • Tel: 218 854 730